E-mail: Telefone: (14) 3239-1466
Cartão fidelidade

Indústria briga com importados. E perde.

voltar

 

 

 

Data: 22/11/2013

Fonte: Diário do Comércio 

O real perdeu cerca de 17% do valor entre julho e setembro, desvalorização que não foi suficiente para melhorar os resultados do comércio exterior brasileiro – normalmente, uma moeda desvalorizada favorece as exportações por baratear o produto nacional no mercado externo. Pesquisa divulgada ontem pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) mostra que as exportações da indústria continuam estagnadas em um patamar baixo, enquanto as importações ganharam força na economia brasileira. O trabalho, feito pelo Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior da entidade (Derex), verificou também que os produtos importados abasteceram 82,4% do aumento de 4,1% da demanda interna nos três meses analisados. 

O Coeficiente de Exportação, que mede a fatia da produção industrial nacional vendida no exterior, ficou em 20,5% no terceiro trimestre deste ano, praticamente o mesmo nível de iguais períodos em 2012 (20,3%) e em 2011 (20,2%). Já o Coeficiente de Importação, que mostra a parcela dos importados no mercado brasileiro, subiu para 24,7%, ante 22,3% no terceiro trimestre de 2012; no fim de setembro de 2011, estava em 23,4%. Conforme a metodologia da pesquisa, os preços dos produtos não entram nos cálculos dos coeficientes.

Na avaliação do diretor do Derex, Roberto Giannetti, o fato de as moedas de países que são parceiros comerciais do Brasil também terem sofrido desvalorização enfraqueceu o efeito positivo da perda de valor do real sobre as exportações (leia mais nesta página). Ele lembrou, ainda, que a variação cambial demora de seis meses a um ano para ser absorvida pela economia. Giannetti também se disse frustrado com o que chamou de falta de prioridade do governo à indústria e também ao comércio exterior.

Dos 33 setores pesquisados, 19 apresentaram aumento do Coeficiente de Importação no terceiro trimestre em relação a igual período de 2012, com destaque para o setor de produtos farmacêuticos (alta de 9,2 pontos percentuais). No caso do Coeficiente de Exportação, teve o maior avanço o setor de equipamentos de transporte (mais 9 pontos percentuais). Apenas nove setores apresentaram aumento desse coeficiente na comparação anual. 

 

 

 

Rede Biodrogas © 2013 - Todos os direitos reservados.

Carregando...